Vencedores do leilão Spectrum frequências atribuídas pelo DoT

Como parte do exercício de atribuição de frequência, o DoT aceitou solicitações da Bharti Airtel e da Reliance Jio Infocomm (RJio) para atribuir blocos de espectro não vendidos imediatamente disponíveis na mesma banda e LSAs em vez dos blocos de espectro atribuídos a eles em datas posteriores.

O RJio emergiu como o maior licitante nos leilões 4G, tendo licitado 488,35 MHz do espectro total de 855,60 MHz.

O Departamento de Telecomunicações (DoT) disse na sexta-feira que concluiu a atribuição de frequências aos licitantes bem-sucedidos dos leilões de espectro que ocorreram em março deste ano.

A atribuição de frequências foi acompanhada por um exercício de harmonização de frequências, através do qual os blocos de espectro atribuídos a prestadores de serviços de telecomunicações (TSPs) no actual leilão de espectro foram tornados contíguos aos blocos de espectro já detidos por eles, sempre que possível, em várias bandas em diferentes serviços licenciados áreas (LSAs), disse o DoT em um comunicado.

Como parte do exercício de atribuição de frequência, o DoT também aceitou solicitações de Bharti Airtel e Reliance Jio Infocomm (RJio) para atribuir blocos de espectro não vendidos imediatamente disponíveis na mesma banda e LSAs em vez dos blocos de espectro atribuídos a eles em datas posteriores. Ao fazer isso, o governo conseguiu arrecadar quase Rs 2.307 crore das duas teles imediatamente, em vez de receber esse dinheiro na segunda metade do ano civil, ou seja, em agosto ou setembro de 2021.



Notícias principais agora Clique aqui para mais

Enquanto a Bharti Airtel pagou Rs 158,4 crore para obter o espectro não vendido imediatamente disponível atribuído, RJio pagou Rs 2149,6 crore.

No início de março, o DoT tinha, nos leilões de espectro que duraram menos de dois dias, conseguido levantar Rs 77.800 crore com a venda de 855,60 MHz de espectro.

O RJio emergiu como o maior licitante nos leilões 4G, tendo licitado 488,35 MHz do espectro total de 855,60 MHz.

A Bharti Airtel não ficou muito atrás e comprou 335,45 MHz do espectro total disponível vendido.

Por outro lado, a Vi (anteriormente Vodafone Idea) - que tinha uma dívida bruta de cerca de Rs 1,18 lakh crore em junho de 2020 - comprou apenas 11,8 MHz do espectro.

Para os leilões desta vez, o Centro colocou em oferta as frequências nas bandas de 700 MHz, 800 MHz, 900 MHz, 1.800 MHz, 2.100 MHz, 2.300 MHz e 2.500 MHz. Um total de 2.251 MHz de espectro por um preço de reserva de Rs 3,92 lakh crore estava em licitação, e o governo conseguiu vender 855,60 MHz. Todo o espectro foi vendido a preço base, com lance máximo na faixa de frequências de 800 MHz. Do espectro total de 230 MHz disponível na banda de 800 MHz, cerca de 150 MHz ou 65 por cento foi vendido. No entanto, não houve licitação nas bandas de 700 MHz e 2.500 MHz desta vez.

Entre as três empresas de telecomunicações, o RJio gastou mais de Rs 57.100 crore para comprar espectro em três bandas - as bandas de 800 MHz, 1.800 MHz e 2.300 MHz; enquanto a rival Bharti Airtel gastou perto de Rs 18.700 crore para comprar espectro em cinco bandas de frequência - as bandas de 800 MHz, 900 MHz, 1.800 MHz, 2.100 MHz e 2.300 MHz.

O menor lance foi feito pela Vi, que comprou apenas cerca de 11,8 MHz de espectro nos leilões, gastando cerca de Rs 1.990 crore.